A segunda-feira, dia 8 de Junho de 2015, marcou o aniversário de 20 anos da linguagem PHP.

Pouco tempo depois da linguagem ter sido criada ela foi lançada como Software Livre e hoje conta com mais de 700 programadores contribuindo para o seu desenvolvimento, incluindo Brasileiros.

Assim como em diversos outros acontecimentos na história destes 20 anos da linguagem, neste detalhe existe uma lição importante a ser aprendida.

Em 1995 o dinamarquês Rasmus Lerdorf decidiu, “do alto” dos seus quase 30 anos de idade tornar a linguagem que havia criado um Software Livre.

Rasmus_Lerdorf_August_2014_(cropped)

Embora eu tenha tido o privilégio de conversar com o próprio pessoalmente, é impossível para mim – ou para qualquer outra pessoa – imaginar como essa decisão pode ter sido difícil.

Trabalhamos em um mercado onde “complexo” é um termo diário.

O aprendizado muitas vezes acontece de hora em hora e a frequência com que nos descobrimos equivocados é muito maior do que imaginamos.

Um mercado onde impera a “Síndrome do Impostor”, como comentei em outro artigo.

Abrir o seu software para olhos alheios, portanto, é compreensivamente um processo que causa, pra dizer o mínimo, uma certa dose de ansiedade.

Uma vez mais o que nos impede e nos bloqueia é este orgulho tolo que temos de nossa suposta inteligência.

Todos queremos, em maior ou menor grau, nos tornarmos “a referência”, “o mestre”, “o gênio”.

O que custamos a aprender é que isso raríssimamente – se é que ocorre – acontece em um momento “Eureka!”, onde temos uma idéia genial depois de uma quase overdose de cafeína. E certamente não  acontece no isolamento de nossas próprias cabeças.

Neste nosso mercado complexo não existe aprendizado melhor do que abrir o seu código-fonte.

 

Ao fazê-lo você se torna imediatamphp-logo-php-721782ente um alvo, mas isso não precisa necessariamente ser algo negativo: ao receber críticas ao seu trabalho você pode refutá-las por teimosia, refutá-las com argumentos ou aceitá-las – com ou sem argumentos.

Você pode aprender sobre aquele design pattern que parecia impossível de entender.

Você pode descobrir que o mercado recomenda soluções diferentes das suas e, principalmente, entender o motivo dessas recomendações.

E você pode até mesmo – veja só – descobrir que a sua solução tem uma aceitação muito maior do que você imaginava.

Independente do resultado, o importante é que você aprende.

  • Aprende alternativas para o que você está trabalhando;

  • Aprende o quanto você tem razão… e o quanto não tem;

  • Aprende a defender os seus posicionamentos;

  • Aprende a aceitar os seus erros e, tão importante quanto, crescer com eles;

  • Aprende que não existem “obras-primas” que tudo neste nosso mercado evolui.

A linguagem PHP evoluiu tremendamente nestes 20 anos, tornando-se a linguagem que está presente em mais de ¾ de todos os servidores conectados a web no mundo. Falo disso em uma palestra que já tive o prazer de apresentar em diversas instituições e eventos, e esta palestra, que muito pouco tem de técnica, atrai sempre a atenção e os elogios do público. A razão de toda essa atenção e elogios é simples: a evolução é sexy.

Sim, você leu certo: Evoluir é sexy.

É um processo extremamente difícil, muitas vezes doloroso, mas ao vermos os benefícios deste processo é impossível não nos encantarmos.

É impossível não sorrirmos hoje, passados estes 20 anos, quando lembramos o quanto a linguagem foi vítima de críticas injustas, piadas tolas e previsões de sua morte prematura.

Foram dificuldades que tornaram o processo de evolução feio, difícil e caótico, mas isso tudo faz parte de um processo evolutivo, de aprendizado e crescimento.

Aprendemos a rebater as críticas injustas, aprendemos a ignorar as piadas tolas e aprendemos a rir dos futurólogos do mercado, que adoram prever a morte das coisas.

Hoje, 20 anos depois, aprendemos que podemos nos tornar “um Rasmus da vida”, se estivermos dispostos a encarar as dificuldades.

E ao olhar para o PHP 5.6.9 e dar aquela “espiadinha” no que vem por aí no PHP 7, aprendemos o quanto algo pode evoluir ao se tornar coletivo e o quão brilhante pode ser o futuro.

Vida longa ao PHP!

Referencias:
Histórico da Logo do PHP: http://blog.tetranet.com.br/o-motivo-de-o-mascote-simbolo-do-php-ser-um-elefante/

Er Galvão Abbott
No Code Squad, ministra os seguintes treinamentos: http://code-squad.com/perfil/galvao#cursos-ministrados

Er Galvão Abbott – É o Presidente da ABRAPHP – Associação Brasileira de Profissionais PHP, Diretor da PHP Conference Brasil, o principal evento de PHP da América Latina e fundador do PHPBR, Grupo de Usuários com mais de 1.200 associados. Trabalha há mais de 20 anos desenvolvendo sistemas e aplicações com interface web, sendo 15 anos com PHP e 7 anos com Zend Framework. Trabalhou com diversas empresas de grande porte, tanto nacionais como internacionais. Palestra em eventos e ministra cursos em diversas instituições, bem como in company. – See more at: http://code-squad.com/perfil/galvao#perfil

Twitter